A primeira parte do título deste artigo pode ser interpretado tendo em conta dois factores distintos. Primeiro, no vasto e cada vez mais exigente mundo dos videojogos, existem títulos de menor dimensão que raramente conseguem atingir o estrelato, casos de Commander Keen, The Lost Vikings, The Neverhood, Wonder Boy, entre muitos outros. A isto deve-se um baixo orçamento de produção, fraca divulgação no mercado, apoio insuficiente das editoras de renome ao mercado independente, e consequentemente, uma fraca capacidade de atrair um número de fãs considerável. Não estando totalmente destinados ao fracasso, jogos que não preenchem estes requisitos tendem a ficar eternamente esquecidos.

O segundo grupo de jogos, o qual nos iremos debruçar em diante, é ligeiramente diferente do anterior. Algumas editoras têm a sorte de lançar os seus jogos e obterem um sucesso imediato notável. A base de fãs cresce a cada dia que passa e durante anos estes aguardam por sequelas a esses mesmos jogos. Infelizmente, esperar é apenas o que tem restado aos fãs, pois as editoras simplesmente se “esquecem” e as tão aguardadas sequelas nunca chegam a ser anunciadas. Existem demasiados títulos que se enquadram neste caso. Descubram ou relembrem 5 títulos pelos quais ainda ansiamos por novidades.

Freedom Fighters

  • Electronic Arts
  • PC, GameCube, PS2, XBox

https://i0.wp.com/nightmaremode.net/wp-content/uploads/2011/09/Freedom_fighters_squad.jpg

Um dos jogos mais revolucionários de sempre lançado no início do milénio pela Electronic Arts. Christopher Stone é um canalizador de profissão que se torna um revolucionário contra as forças Soviéticas que até então têm ocupado o território de Nova Iorque. Chris, como é tratado em todo o jogo, inicia a sua missão de vingança após o seu irmão ter sido assassinado pelas forças ocupantes.

Freedom Fighters é um third person shooter que tem tudo para continuar a ser lembrado pelos fãs. Jogabilidade rápida e viciante, gráficos soberbos e uma banda sonora épica de fazer inveja a qualquer orquestra de renome, são alguns dos ingredientes que nos fazem suspirar pelo “renascimento” da saga. Relativamente à dita sequela, vários rumores ligam um possível Freedom Fighters 2 à futura consola da Xbox. Será?

Legend of Dragoon

  • Sony
  • PSOne

http://ngept.files.wordpress.com/2013/05/60b6e-gfs_93628_2_1.jpg?w=480&h=360

Legend of Dragoon orgulha-se de pertencer à era dourada dos RPG que surgiram na primeira consola da Sony. Quando se pensava que as sagas Chrono, Final Fantasy e Dragon Quest podiam dominar o futuro do género, eis que surge a Sony com o seu próprio RPG e as suas próprias ideias. O destaque vai claramente para o sistema de batalha, implementando um sistema viciante e que permitia ao jogador transformar as suas personagens em Dragoon, o qual podia ser evoluído ao longo da aventura. Sendo a história complexa e vasta (os 4 CD’s do jogo provam isso mesmo), controlamos Dart, um jovem que procura vingança pela morte dos seus pais às mãos de um terrível monstro (como um bom RPG clássico não podia deixar de ter este pedaço de história).

Ainda hoje os fãs se perguntam “afinal onde está a sequela de Legend of Dragoon”? A verdade é que ninguém sabe, nem a própria Sony, que provavelmente já nem se lembra que criou este fantástico RPG. Muitos acreditam que se tivesse sido a Squaresoft a pegar na série, hoje certamente faria concorrência a Final Fantasy e afins.

Oddworld

  • GT Interactive
  • PC, PSOne, XBox

https://i0.wp.com/www.alexholloway.net/blog/wp-content/uploads/2012/08/Oddworld+ABE+Oddysee11.jpg

Tal como o título indica, este jogo tem lugar num mundo realmente estranho. Esta série que teve início no PC e na PSOne, cativou os fãs com os seus puzzles 2D em cenários pós-apocalípticos. Controlamos uma criatura da raça Mudokon, a qual foi emprisionada pelos Glukkons para trabalhos forçados. O objectivo passa por conseguir salvar o maior número de “camaradas” enfrentando intermináveis armadilhas e desafios até conseguirmos chegar ao portal que nos transporta para o nível seguinte.

Na altura nunca se imaginava que Abe’s Oddysee e Exoddus conseguissem a aprovação dos jogadores. Obtiveram um sucesso tremendo até à sua última versão, Stranger’s Wrath que alterou completamente o conceito da série. Desmotivado com o rumo que a indústria estava a tomar, o criador de Oddworld decidiu afastar-se destas lides e ainda hoje paira no ar a dúvida se algum dia Oddworld conseguirá reerguer-se das cinzas.

Streets of Rage

  • Sega
  • Mega Drive

https://i1.wp.com/metalarcade.net/wp-content/uploads/2011/07/SOR2.jpg

Mais um exemplo de uma série que deixou as luzes da ribalta cedo de mais. Streets of Rage é um beat-em-up altamente viciante e que revolucionou a indústria na altura do seu lançamento. Muito mais do que carregar o botão de ataque como se não houvesse amanhã, tínhamos que utilizar todas as teclas com cuidado para efectuarmos golpes especiais e combos juntamente com o nosso parceiro.

Com apenas 3 personagens à escolha e 8 a 10 níveis por jogo, Streets of Rage proporcionava sessões de pancadaria inesquecíveis, especialmente quando jogado em multiplayer. Depois da sua terceira versão, a saga Streets of Rage simplesmente desapareceu. Lançada na Mega Drive/Master System, muitos esperavam o seu posterior lançamento na Sega Saturn e até mesmo na Dreamcast. Após todos estes anos de ausência, Streets of Rage surgiu recentemente na consola virtual da Wii, num saudoso regresso ao passado. Imaginam o sucesso que teria uma sequela na nova geração?

River City Ransom

  • Technos Japan
  • NES

https://i2.wp.com/gamingbolt.com/wp-content/uploads/2011/03/River-city-ransom-2-gameplay.jpg

Enquanto Streets of Rage consagrava mais tarde o género beat-em-up nos anos 90, já River City Ransom tinha atingido o sucesso nos anos 80. Conhecido como Street Gangs na Europa, a história é bastante simples. Dois jovens estudantes lutam contra gangs organizados que espalham o medo pelas ruas e mais tarde raptam a namorada de um dos protagonistas.

Em River City Ransom destaca-se muito mais do que simplesmente desancar tudo o que aparece pela frente. Os diálogos e as expressões das personagens são muito divertidos, fazendo-nos soltar algumas gargalhadas enquanto distribuímos socos e pontapés. Esperava-se uma continuidade maior da saga, desta feita por parte da Nintendo, que apenas recebeu o jogo na NES.

No entanto, a obra da Technos Japan não foi esquecida e as boas notícias ficaram para o fim da lista. Tal como Streets of Rage, River City Ransom viu a sua versão original ser distribuída na consola virtual da Wii, mas não é tudo. Recentemente, a Combit Studios anunciou que está a desenvolver uma sequela directa, denominada de Retro City Rampage. Como não podia deixar de ser, este jogo será fortemente influenciado pelas origens de River City Ransom e o seu lançamento está previsto para Agosto de 2014.

Os tempos obrigaram a uma inevitável mudança na indústria dos videojogos e existem muitas mais franchises esquecidas do que as que foram aqui apresentadas. Apesar das editoras terem deixado de lado todos estes títulos, eles ainda perduram no nosso imaginário, e mais importante ainda, nas nossas estantes à espera de serem jogados novamente.

Article date creation: 05/02/2013, Nova Geração de Entretenimento
Anúncios